Aditivos

Conheça os nossos aditivos e escolha o que mais se enquadra ao seu serviço asfáltico

Para o seu serviço asfáltico ficar completo, desenvolvemos dois aditivos de qualidade superior, que agregam toda tecnologia do nosso laboratório com a segurança da marca Petrobras.

 

Produto desenvolvido para melhorar a adesão do cimento asfáltico de petróleo (CAP) aos agregados minerais.

Propriedades e características

É um tensoativo orgânico de cadeia longa, utilizado para promover o total envolvimento do ligante asfáltico à superfície dos agregados, garantindo melhor desempenho e maior durabilidade do pavimento asfáltico. É de fácil mistura no asfalto, não afeta as especificações do ligante e resiste às temperaturas usuais de estocagem.

Especificações e recomendações de uso

  • Deve ser usado sempre que a adesão ligante/agregado não for satisfatória, ou seja, quando forem usados agregados ácidos (ph<7) ou com elevado teor de sílica e sempre que o ensaio laboratorial determinar a necessidade de um agente melhorador de adesividade.
  • O teor a ser adicionado ao CAP deve ser determinado em laboratório em função do agregado utilizado. Geralmente, percentuais em peso de 0,15% sobre o asfalto são suficientes, podendo chegar até 0,25% em casos especiais.
  • O CAP DOP deve ser adicionado, preferencialmente, no tanque de estocagem ou de serviço da usina. A mistura deve ser agitada ou recirculada até a completa homogeneização. Pode também ser acrescentado ao CAP no tanque do caminhão transportador, tomando-se o cuidado de recircular com a bomba do caminhão até a homogeneização completa. Evitar contaminação por água.
  • Recomenda-se não estocar a mistura por mais de três dias em temperaturas superiores a 150˚C.

Aditivo para misturas mornas de asfaltos, também conhecidas como Warm Mix. A técnica de Warm Mix vem encontrando utilização crescente nos Estados Unidos e na Europa e, agora, está disponível aos nossos clientes.

Propriedades e características

As misturas mornas são misturas asfálticas (densas, semidensas ou abertas), nas quais o ligante asfáltico recebe uma pequena quantidade de aditivo, que permite a usinagem da massa asfáltica em temperaturas até 30˚C inferiores às temperaturas de usinagem convencionais, reduzindo o consumo de energia e as emissões de fumos de asfalto. Isso acontece sem que haja alterações nas propriedades do ligante asfáltico e da mistura usinada.
Assim, as misturas mornas são benéficas tanto ao meio ambiente quanto à saúde dos trabalhadores da área de pavimentação.

Outra vantagem das misturas mornas é que a compactação na pista é feita em temperaturas menores que as convencionais, o que é conveniente quando a usina de asfalto fica afastada do local da aplicação. Congestionamentos de trânsito ou longas distâncias a percorrer fazem a massa esfriar no caminhão, podendo implicar em má qualidade da aplicação e até no descarte da massa usinada. Com a mistura morna, a massa pode ser aplicada e compactada em temperaturas 30˚C mais baixas do que a temperatura normal de compactação.

Especificações e recomendações de uso

  • Composto químico com base em amidas sintéticas. É um produto líquido, de coloração escura, viscoso e de odor característico, destinado a reduzir as temperaturas de usinagem dos concretos betuminosos usinados a quente. Pode ser utilizado em massas preparadas com asfalto convencional (CAP), asfalto modificado com polímero e asfalto-borracha.
  • Recomenda-se adicioná-lo ao asfalto aquecido no tanque de estocagem ou de serviço da usina e agitar a mistura até a completa homogeneização (cerca de 30 minutos para 25 toneladas). O teor de produto deve ser previamente determinado em projeto de mistura betuminosa e varia entre 1,5kg e 3kg/tonelada, dependendo do tipo de ligante betuminoso a ser utilizado e das condições operacionais da usinagem. Evitar contaminação com água. Manter a embalagem do produto cuidadosamente fechada.
  • Caso ocorra vazamento ou derramamento, isolar e sinalizar a área. Estancar o vazamento, caso isso possa ser feito com segurança. Confinar o vazamento ou derramamento na menor área possível por meio da utilização de barreiras de terra, areia ou outro material absorvente não combustível e transferir o material para um recipiente adequado. Absorver o produto restante com um material inerte e colocá-lo em um recipiente de resíduos químicos. Descartá-lo de acordo com a legislação vigente. Evitar a possibilidade de contaminação de águas superficiais, mananciais ou rede de esgotos. Eliminar quaisquer fontes de fogo ou calor. Não se deve fumar nem provocar faíscas. Por fim, recomenda-se contatar o órgão ambiental local.

VEJA TAMBÉM